O novo mundo do Km 4.Zero Economy, um novo paradigma que combina tendências econômicas superlocais à hipertecnologia e que pode nos ajudar a recuperar, ou pelo menos mitigar, os efeitos econômicos da pandemia

Tradução livre de ETGovernment – 01 de junho de 2020 – Por Renato De Castro

A Quarta Revolução Industrial tinha sido batendo em nossas portas muito antes da nova pandemia. Embora a tecnologia já tenha começado a capacitar os cidadãos e a melhorar significativamente o papel de liderança de nossas cidades, a verdadeira transformação desta vez não é a tecnologia em si, mas a velocidade com que as mudanças estão ocorrendo.

Estamos à beira de uma nova revolução. Se, por um lado, essa revolução estava sendo posta em prática pela digitalização do mundo e pela conectividade, que eliminou fronteiras e estimulou a troca de idéias, por outro lado, estamos testemunhando o início de uma nova ordem mundial: a localização. Uma maneira rápida e fácil de definir localização seria dizer que é literalmente o oposto da globalização. No entanto, quando explicada dessa maneira, a localização soa mais como um movimento de ONGs contra o capitalismo, ou como movimentos separatistas radicais, quando na verdade está longe disso.

Apesar de ter sido uma tendência que ganhou força na última década, especialmente na Europa após a crise de 2008, poucas foram as vezes em que vi o termo “localização” ser defendido didaticamente no contexto da economia global. As gerações Y (nascidas de 1982 a 1994) e Z (nascidas entre 1995 e 2010), especialmente a última, também conhecida como pós-milenista ou centenária, já demonstravam uma preferência natural pela localização em seus estilos de vida e hábitos de consumo.

De acordo com um estudo intitulado Millennials & Centennials New Kids on the Block, do Bank of America Merrill Lynch, atualmente existem 2 bilhões de millennials e 2,4 bilhões de centennials em todo o mundo, o que representa 27% e 37% da população mundial, respectivamente. Isso significa que esses grupos combinados constituem a maioria da população do planeta, e seu poder de compra influencia diretamente a economia global.

À medida que essas gerações mais novas assumem a liderança, os principais elementos para uma equação da nova economia mundial estão bem definidos. São eles: inteligência artificial; a Internet das coisas; e todas as hipertecnologias que fazem parte da Quarta Revolução Industrial. No entanto, ao mesmo tempo, ainda estamos lidando com grandes deficiências do modelo “tradicional” de globalização, como a alta concentração de produção em um pequeno número de países, o consumo desordenado e as crescentes ameaças ambientais.

A crise mundial causada pelo COVID-19 acabou sendo o catalisador que faltava para acelerar a taxa de mudança. Bem-vindo ao novo mundo do Km 4.Zero Economy, um novo paradigma que combina tendências econômicas superlocais à hipertecnologia e que pode nos ajudar a recuperar ou pelo menos mitigar os efeitos econômicos da pandemia.

Como em todas as pandemias, guerras e crises históricas, esta também passará. No entanto, é improvável que retornemos ao mesmo mundo. Pela primeira vez na história, países inteiros, como a Itália, foram forçados a colocar em quarentena. No nosso caso, mais de 60 milhões de pessoas estão isoladas em suas casas há mais de 70 dias. Teremos não apenas conseqüências econômicas, mas também sociais e psicológicas decorrentes dessa pandemia.

Quando virá o próximo vírus? Virá da natureza ou dos laboratórios? Estaremos prontos? As perguntas existentes farão parte de nossas novas vidas “normais”, e uma coisa é certa: se nos últimos 10 anos aprimoramos conceitos relacionados a cidades inteligentes, agora é hora de começar a desenvolver estratégias para cidades mais resilientes.

Aqui na Itália, já estamos escrevendo o primeiro capítulo de uma nova história. Que venha o novo KM 4.Zero Economy. Afinal, nós já estávamos esperando por isso – e, pelo menos aqui, estamos prontos para isso.

O autor é especialista em cidades inteligentes e o embaixador de cidades inteligentes no TM Forum de Londres. As opiniões são pessoais.

Publicado originalmente em inglês no link: https://government.economictimes.indiatimes.com/news/economy/km-4-zero-economy-combining-superlocal-economic-trends-to-hypertechnology/76129192.

(Visited 65 times, 1 visits today)